Arquivo da categoria: Livro

O Pensamento Econômico de Dilma

Artigo publicado no dia 15 de novembro de 2016 , no Jornal Opinião– Acre, onde comentamos texto da economista Mônica de Bolle em seu livro “Como matar a borboleta-azul: uma crônica da era Dilma”, que busca interpretar como a ex-presidente Dilma conduziu a economia brasileira em seu mandato, bem como elenca os erros da Nova Matriz Econômica.

Para ler, clique O Pensamento Econômico de Dilma.

logo_oficial_opiniaoArtigo publicado no Jornal Opinião, Estado do Acre, no dia 15 de novembro de 2016.

A Revolta de Atlas

A Revolta de Atlas. Artigo publicado no dia 28 de dezembro de 2015, no Jornal Opinião – Acre, em que fizemos uma pequena resenha do livro que leva o mesmo nome do título do artigo. Ayn Rand escreveu o livro em 1957, e daquela época deu uma aula de empreendedorismo e de como o Estado pode sacrificar os ideais de Justiça, Economia, Finanças, Trabalho, Riqueza e Emprego. A visão esquerdista onde todos devem contribuir para o bem de todos, não permitindo a iniciativa privada, propriedade privada e riqueza individual, é a deflagração do fim de todos por uma ideologia desconexa da realidade. O império que surge é de corrupção, burocracia, mediocridade, ganância dos agentes políticos, carga tributária extrema, regras trabalhistas conflituosas e desrespeito ao direito civil de todos.

Para ler, clique A Revolta de Atlas.

Os Axiomas de Zurique

axiomaAxioma, na definição do dicionário Houaiss, é a “premissa considerada necessariamente evidente e verdadeira, fundamento de uma demonstração, porém ela mesma indemonstrável, originada, segundo a tradição racionalista, de princípios inatos da consciência ou, segundo os empiristas, de generalizações da observação empírica (…),máxima, provérbio, sentença.”

Podemos dizer então que Axioma é a verdade sobre um significado. O livro “Os Axiomas de Zurique”, nesta condição, quer dizer sobre a verdadeira razão dos ensinamentos financeiros dos banqueiros de Zurique.

Seu autor Max Gunther, já falecido, foi um jornalista e escritor anglo-americano que escreveu este best-seller de finanças. Também escreveu mais 26 livros que podem ser encontrados na internet.

 O livro, “Os Axiomas de Zurique”, é dividido em 12 axiomas maiores e 16 menores e relatam sobre:

Risco, onde relata que “preocupação não é doença, mas sinal de saúde. Se você não está preocupado, não está arriscando o bastante.” O primeiro axioma menor diz que “Só aposte o que valer a pena.” O segundo diz que devemos resistir “à tentação das diversificações.” Conclui afirmando que “Não tenha medo de arriscar um pouco. Alto risco significa alto retorno.”

Ganância, é o mal que barra a realização das operações, por isso, Max afirma que devemos sempre realizar o lucro mais cedo, e não ficar pensando na sorte. O terceiro axioma menor determina que devemos entrar “no negócio sabendo quanto quer ganhar. Quando chegar lá, caia fora.” Conclui dizendo para não testar a sorte, mas “Estabeleça uma meta e, ao atingi-la, realize seus lucros.”

Esperança, sempre acompanha o apostador para deixar que mantenha a aplicação na visão futura da recuperação. No livro ele diz que Quando o barco começar a afundar, não reze. Abandone-o.” É melhor no entendimento do quarto axioma menor, aceitar “as pequenas perdas com um sorriso, como fatos da vida.” Vale mais a pena “incorrer em várias, enquanto espera um grande ganho.” Conclui afirmando que “Se suas especulações andam mal, saia e parta para outra. Saber perder é uma das virtudes de um bom especulador.”

Previsões, não pense que tem uma bola de cristal do futuro, “O comportamento do ser humano não é previsível. Desconfie de quem afirmar que conhece uma nesga que seja do futuro.” A conclusão é que não devemos basear nossas “especulações em previsões e sim no que você vê acontecendo à sua frente.”

Padrões, são os verdadeiros perigos dos investimentos, Até começar a parecer ordem, o caos não é perigoso.” Aqui o quinto axioma menor tenta evitar a “armadilha do historiador.” onde afirma que a história sempre se repete do mesmo jeito e forma. O sexto axioma menor manda literalmente esquecer a “ilusão do grafista.” O sétimo axioma menor relata ter “cuidado com a ilusão de correlação e a ilusão de causalidade.” O oitavo axioma menor manda prestar atenção, muita, “com a falácia do jogador.” Conclui afirmando que não devemos nos deixar “levar pela ilusão de ordem. Não existe um fórmula exata que vá lhe proporcionar sempre ganhos.”

Mobilidade, seja livre, Evite lançar raízes”, pois “Elas tolhem seus movimentos.” O nono axioma menor manda retirar sentimentos e se “Numa operação que não deu certo, não se deixe apanhar por sentimentos como lealdade ou saudade.” O décimo axioma menor decorre da indecisão, afirmando que “Jamais hesite em sair de um negócio se algo mais atraente aparecer à sua frente.” Conclui afirmando que não devemos nos prender “a sentimentos em suas especulações. Se perceber uma oportunidade melhor, corte suas raízes e siga em frente.”

Intuição, Só se pode confiar num palpite que possa ser explicado.” O décimo primeiro axioma menor determina que “Jamais confunda palpite com esperança.” Conclui que só devemos confiar “em um palpite se for capaz de identificar algo que consiga explicá-lo.”

Religião e Ocultismo, É improvável que entre os desígnios de Deus para o Universo se inclua o de fazer você ficar rico.” O décimo segundo axioma menor mostra que “se a astrologia funcionasse, todos os astrólogos seriam ricos.” O décimo terceiro axioma menor diz que “Não é necessário exorcizar uma superstição. Podemos curti-la, desde que ela conheça o seu lugar.” Conclui que devemos manter “o sobrenatural longe de suas especulações. Confie em você e no seu potencial.”

Otimismo e Pessimismo, Otimismo significa esperar o melhor, mas confiança significa saber como se lidará com o pior. Jamais faça uma jogada por otimismo apenas.” Conclui dizendo que “Um bom especulador possui confiança, não otimismo. A confiança nasce do uso construtivo do pessimismo.”

Consenso, Fuja da opinião da maioria. Provavelmente está errada.” O décimo quarto axioma menor diz que “Jamais embarque nas especulações da moda. Com frequência, a melhor hora de se comprar alguma coisa é quando ninguém a quer.” Conclui que “Antes de arriscar seu dinheiro seguindo a opinião da maioria, pondere e avalie por si mesmo se a decisão é acertada ou não.”

Teimosia, não repita as jogadas pela esperança que a próxima você ganhará, Se não deu certo da primeira vez, esqueça.” O décimo quinto axioma menor diz que “Jamais tente salvar um mau investimento fazendo preço médio.” Conclui dizendo que “Se sua especulação não está dando o retorno desejado, não seja teimoso, desista. Outras boas oportunidades podem estar a sua volta sem ser notadas..”

Planejamento, a palavra do momento. Mas planejamento “a longo prazo gera a perigosa crença de que o futuro está sob controle. É importante jamais levar muito a sério os seus planos a longo prazo, nem os de quem quer que seja.” O décimo sexto axioma menor manda fugir “de investimentos de longo prazo.” Conclui dizendo para não planejar “investimentos a longo prazo. O mundo dos negócios se modifica a cada dia. O único plano a longo prazo que um especulador precisa ter é o de ficar rico.”  O certo é que planejamento deve ser feito e ele não diz o contrário, o que tenta passar é que ele deve ser reavaliado a cada três meses, pois o dinheiro muda de mão todo segundo, portanto, várias cabeças pensantes impõem seu jeito de conduzir a economia. Planejamento de longo prazo é possível, mas deve ser observado de tempos em tempos, nunca inferiores a um ano, o que lhe permite rebalancear os investimentos.

Para quem estudou finanças, é uma leitura de lembranças para guardar na mente. Para quem nunca estudou finanças, o livro é didático e serve para aprender os conceitos básicos que toda ciência possui.