Arquivo da categoria: Renda Fixa

Mercado de Capitais: Ações

logo_oficial_opiniao Artigo publicado no Jornal Opinião, Estado do Acre, no dia 25 de abril de 2017. bandeira-acre

Na semana passada escrevemos sobre o “Mercado Financeiro: Poupador e Tomador”, onde trouxemos as definições dos participantes (poupador, tomador e agente intermediário) e falamos sobre os juros e spread bancário. O mercado financeiro é o gênero onde existem quatro espécies: Mercado Monetário, Mercado de Crédito, Mercado Cambial e Mercado de Capitais. Cada um é responsável por gerir um ramo do mercado financeiro e conduzir as políticas públicas de forma a permitir a riqueza, o investimento, a produção e o desenvolvimento econômico do país.

Para continuar lendo, clique em Mercado de Capitais: Ações.

O PODER DA INFLAÇÃO

inflacao e porcoA maioria das pessoas não conhece o poder da inflação. Deixar de observar seu impacto em nossa economia é o mesmo que deixar de tomar o remédio contra uma doença.

No caso das finanças, nós perdemos o poder de compra do nosso dinheiro e, no caso da doença, nós perdemos a vida. A inflação para o dinheiro é o mesmo que um vírus da gripe para o corpo humano, possui tratamento e podemos conviver por toda a nossa vida.

A inflação no Brasil foi domada em 1994 com a implementação do Plano Real pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Nos anos anteriores nossa inflação (IPCA) era de 1.119,09% – 1992 e 2.477.15% – 1993; em 1994, já com o plano Real em andamento, fechamos com 916,43%.

Depois disso, nos anos subsequentes, a inflação somente ultrapassou dois dígitos em três anos: 1995 – 22,41%, 2002 – 12,53% e 2015 – 10,67%. E como falamos acima, a inflação tira o poder de compra do dinheiro, tornando necessário ter mais moeda para comprar o mesmo produto ou serviço.

Por outro lado, viver sem inflação também é danoso para o dinheiro e a economia. O contrário da inflação é a deflação, onde os preços caem e a lógica consiste em deixar o dinheiro guardado para gastar no futuro quando o produto ou serviço estiver mais barato.

Acontece que a economia não pode viver em deflação, pois se as pessoas não gastam, não compram, a indústria não produz e a geração de emprego fica prejudicada. Assim, viver com inflação é mais salutar.

O errado é viver com inflação fora do controle e em porcentual acima do desejado para o desenvolvimento da economia. Veja que com a inflação o dinheiro perde seu poder de compra, o que irá forçar as pessoas a gastarem suas economias, fazendo com que a indústria produza mais para repor os produtos e serviços comprados, gerando, com isso, emprego e renda.

O importante é aprender a viver com a inflação, aplicando seu dinheiro em produtos financeiros que remunerem o índice inflacionário mais um ganho real.

Existem investimentos no mercado que permitem um ganho real na ordem de 6% ao ano, um valor considerável para os padrões mundiais. Temos o título do Tesouro Nacional que oferece IPCA+6,21% (Tesouro IPCA+2035, cotação de 12/06/2016).

Outros produtos como LCA, LCI e CDB oferecem remuneração na ordem de 90% a 120% da taxa Selic (14,25%) – bancos médios, proporcionando ganho real, com garantia do Fundo Garantidor de Créditos – FGC e os dois primeiros com isenção de Imposto de Renda. Desde 2005, o Conselho Monetário Nacional estipulou como meta para o IPCA o índice de 4,5% ao ano, ou seja, esse é o valor da inflação que em tese faz bem para todos nós, permitindo que o país produza e crie emprego.

Existe, também, uma banda em que a inflação pode flutuar sem causar estrago na economia que vai de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, sendo que a partir de 2017 será de um e meio ponto percentual para cima ou para baixo conforme Resolução n. 4.419/2015 do Banco Central do Brasil.

pibAssim, sapiente da maldade que a inflação pode fazer com seu capital, vejamos um exemplo: Para tanto, tomemos como base o valor de uma nota de R$100,00 em 1995, primeiro ano completo do plano Real. Naquele ano os R$100,00 compravam R$100,00 em produto e serviço, mas você em vez de aplicar seu dinheiro, sacou esse valor e deixou em casa ou até aplicou, mas em produto inferior a inflação. Hoje essa nota de R$100,00 vale R$18,79, que é a inflação de todo o período (1995-2016 até abril). Agora, se tivéssemos aplicado em produto com remuneração da inflação do período, uma nota de R$100,00 em 1995 valeria hoje R$456,13. Observe que explicitamente, R$100,00 é R$100,00, mas implicitamente, seus R$100,00 de 1995 podem valer hoje R$18,79 ou R$456,13.

Portanto, é urgente aprendermos sobre finanças para impedir que a inflação corroa nosso capital, bastando, para isso, reservar uma hora por dia para estudar os produtos financeiros disponíveis no mercado.

Marco Antonio Mourão de Oliveira, 40, é advogado, especialista em Direito Tributário pela Universidade de Uberaba-MG e Finanças pela Fundação Dom Cabral-MG.

Artigo publicado no dia 14 de junho de 2016, no Jornal Opinião – Acre.

IPCA-15 de Fevereiro de 2016, sobe

A guerra contra a incompetência do governo federal e contra a cabeça da economista do Planalto Central, continua com todo o vapor que a inflação pode proporcionar.

O IPCA-15 de Fevereiro/2016, trouxe mais um aumento além do que era considerado, ou seja, fugiu as projeções dos economistas. O resultado foi de 1,42%, com inflação em 12 meses de 10,84% e no ano de 2,35%.

Como o ministro da Fazenda é outro que não sabe o que fazer para estancar o estrago da Nova Matriz Econômica, do qual ele é o pai e a Dilma a mãe, vamos sofrendo com a inflação em ritmo de Ferrari.

Pelo andar da Ferrari 458 Italia, até junho próximo, estaremos no teto da meta inflacionária que é de 6,50%. Enquanto isso, fica o BCB sem saber para qual direção enviar a Selic, deixando no patamar de 14,25%, que não ajuda em nada a redução do IPCA.

No país dos juros altos, melhor é caminhar com a renda fixa até o Brasil quebrar.

Período
TAXA
FEVEREIRO 2016
1,42%
Janeiro 2016
0,92%
Fevereiro 2015
1,33%
Acumulado 2016
2,35%
Acumulado 12 meses
10,84%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) teve variação de 1,42%, em fevereiro, e ficou 0,50 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de 0,92% de janeiro. Em relação aos meses de fevereiro, consistiu no índice mais elevado desde 2003, quando registrou 2,19%. Considerando os últimos 12 meses, o índice foi para 10,84%, o maior desde novembro de 2003, que chegou a 12,69%. Em fevereiro de 2015, a taxa havia sido 1,33%. Os dados completos do IPCA-15 podem ser acessados aqui.

As pressões mais fortes na formação do índice do mês vieram dos grupos Alimentação e Bebidas, com alta de 1,92% e impacto de 0,49 p.p., Transportes, com 1,65% e 0,30 p.p. e Educação, com 5,91% e impacto de 0,27 p.p.. Juntos, foram responsáveis por 75% do IPCA-15, somando 1,06 p.p. de impacto.

fonte: IBGE

Focus da semana

O mercado continua apostando que o BCB não irá trazer o IPCA para o teto da meta. A recessão projetada já começou a encostar nos 4% informado pelo banco Itaú.

Como o governo prometeu reduzir o gasto em R$21 bilhões, mas vai criar um déficit de R$80 bilhões, vamos terminar o ano no vermelho de R$60 bilhões. Uma vantagem maravilhosa para o pai e a mãe da Nova Matriz Econômica.

Com os juros nas alturas, podemos entender que em algum momento do futuro próximo, não teremos condições de pagar o custo da rolagem da dívida, trazendo o medo de uma moratória interna antes do final do mandato de Dilma, a economista.

Hoje temos mais de 65% do PIB em dívida. Para 2018, projeta-se 80%, tudo com juros de 14,25%. Não existe País no mundo que aguente essa taxa por tanto tempo.

Lucre o máximo que puder com os títulos públicos e quando a dívida chegar na proporção de 70% do PIB, venda os títulos e busque aplicação que lhe proporcione liquidez sem possibilidade de um confisco, como fez Collor.

Semana atual:

IPCA: 7,62% / PIB: -3,40% / Dólar: R$4,36 / Produção Industrial: -4,40% / Balança Comercial: US$37,05 Bi / Conta Corrente: US$-31,15 Bi / Selic: 14,25% / Invest. Direto no País: US$55,00 Bi / IPCA 2017: 6,00%

Dados da semana retrasada:

IPCA: 7,61% / PIB: -3,33% / Dólar: R$4,38 / Produção Industrial: -4,20% / Balança Comercial: US$36,10 Bi / Conta Corrente: US$-32,10 Bi / Selic: 14,25% / Invest. Direto no País: US$55,00 Bi / IPCA 2017: 6,00%

Leia o Focus da semana passada.

TESOURO APANHA DO MERCADO

O Tesouro Nacional vem apanhando do mercado nesse mês de fevereiro para rolar sua dívida. Devido a falta de capacidade do BCB de mostrar independência e da falta de coerência nas ações do Tesouro Nacional, os títulos comercializados diariamente estão mais tempo em suspensão do que em transação.

Abaixo podemos ver que no mês em curso o Tesouro Direto ficou dois dias de três suspensos. O mercado não acredita em Dilma e Barbosa, forçando um retorno maior para financiar o país.

DIA03fevereiro2016

03/02 – Suspensão do Tesouro Direto

Devido à forte volatilidade nas taxas de juros dos títulos públicos nesta tarde, informamos que o Tesouro Direto foi suspenso às 15:32. A expectativa é de normalização por volta das 18 horas. 

DIA03fevereiro2016

03/02 – Suspensão do Tesouro Direto

Devido à forte volatilidade nas taxas de juros dos títulos públicos nesta manhã, informamos que o Tesouro Direto foi suspenso às 10:15. A expectativa é de normalização por volta das 11 horas.

DIA01fevereiro2016

01/02 – Suspensão do Tesouro Direto

Devido à forte volatilidade nas taxas de juros dos títulos públicos nesta tarde, informamos que o Tesouro Direto foi suspenso às 15:02. A expectativa é de normalização por volta das 18 horas.

Enquanto o governo não apresentar seriedade e respeito com a coisa pública, estaremos fadados a pagar o maior juro real do mundo.

Isso Dilma deve saber, pois é impossível que ela como economista não consiga pegar a calculadora HP12C e verificar que de todos os países sérios, nós somos o único com juros acima de 14%.

Nossa Renda Fixa é a mais cara para ser suportada pelos brasileiros, o que faz a festa para os investidores e especuladores estrangeiros. O Carry trade nunca esteve tão em voga contra o Brasil hoje. Isso nunca foi visto antes na ‘história desse país’.

Pagamos juros estratosférico para o mundo e entregamos a maior safra de desemprego para os brasileiros. Ainda bem que isso é obra do partido dos trabalhadores. Imagina se fosse o partido dos empresários?

Aposentadoria Pública ou Privada

A grande pergunta que não tem resposta na atualidade é: Programo minha aposentadoria pela forma privada ou pública? Bem, saber qual é a melhor forma de se aposentar, isso é uma questão pessoal. O que podemos fazer, e os números, gráficos e projeções apontam, é que o destino do Brasil no futuro é muito incerto.

A incerteza vem da ausência de uma política de Estado, na realidade nunca tivemos sequer um pensamento do povo, pelo povo e para o povo. Todos os governos que já passaram, inclusive o chamado de ditadura, só pensavam no amanhã e na forma de se manter no Poder, isso deixou o interesse do povo para outro oportunidade. Ademais, a culpa de tudo isso é nossa, do eleitor, do cidadão, do povo, que não cobra, não questiona o político e a administração pública.

O Brasil precisa com urgência de reformas estruturais em diversos ramos, sendo que a previdência é um deles. Nenhum governo agiu para levar a previdência público para o saldo positivo, pois as medidas necessárias não dão votos, portanto, não servem para ser uma política de Estado, ficando esquecido para o próximo governo, empurrando, com isso, o problema com a barriga.

Tentando visualizar uma luz no fim do túnel, criou-se a previdência privada, uma forma de desafogar o sistema público, mas limitando sua existência na solvência do banco privado. Ou seja, o Estado retira parte de sua responsabilidade, transfere para o banco privado e ainda deixa do cidadão preso a metas e descalabros do banco.

Se você é funcionário público, aconselho a ter uma previdência privada para complementar sua renda, pois com o tempo, já que a reforma não vai sair porque tira voto, seu aposentadoria vai ficar menor devido a inflação.

Agora, se você é um funcionário privado, aconselho ter as duas, uma pública como autônomo e outra privada, já que ambas irão garantir um todo e lhe deixará prevenido contra a falência do banco.

Assim, mesmo que pouco, vale a pena contribuir para a previdência pública e privada, sempre levando em consideração o ditado: “quem tem dois, tem um; quem tem um, não tem nenhum.”

IPCA de Outubro

IBGEO IBGE divulgou hoje o IPCA de Outubro com resultado que mostra como a situação do governo é complicada. As ações governamentais estão totalmente perdidas e os resultados são mais desemprego, inflação e crise financeira.

Os balanços trimestrais dos bancos brasileiros, os maiores do varejo, vieram com lucro líquido bilionário, mas esconderam o volume expressivo de reserva para devedores duvidosos na casa de bilhões.

Os bancos estão se preparando para uma onda maior de calote no ano de 2016, num verdadeiro derrame de falências e insolvências pelo brasil.

Assim, a inflação em vez de caiporcentualr, fez foi crescer quase que o dobro da medida em setembro.

O quadro abaixo do IBGE, mostra que temos um longo caminho para voltar a prosperidade tirada por Dilma.

Período TAXA
OUTUBRO 2015
0,82%
Setembro 2015
0,54%
Outubro 2014
0,42%
Acumulado 2015
8,52%
Acumulado 12 meses
9,93%

Fonte: IBGE

Se os dados de hoje foram somados ao boletim Focus da semana, teremos um quadro negro para arrastar todos nós. É necessário que o ajuste passe logo no Congresso, sem criação da CPMF, mas na austeridade que o governo deve fazer.

O relator do Orçamento afirmou que irá reduzir o Bolsa Família em R$ 10 bilhões, vamos ver se tem força para honrar a palavra dada ou se será mais um caso de lorota para boi dormir.

Enquanto isso, você deve proteger seu patrimônio apostando em aplicações que levam a inflação mais juro real. Pode ainda usar os produtos LCI e LCA para ter o retorno indexado ao IPCA ou SELIC sem o Imposto de Renda.

E não esqueça, seu bolso é seu guia.

MERCADO DE FOREX – LEGAL OU ILEGAL?

Nos últimos meses aflora pelo Brasil e em especial no Acre, uma forma de investimento que promete retorno além dos existentes no varejo bancário e bolsa de valores, arrebatando uma gama de pessoas na ilusão de lucro e ganho extraordinário. Acontece que antes de investir nesse produto financeiro, devemos fazer a seguinte pergunta: O Forex é legal ou ilegal no Brasil?

Forex é a abreviatura de foreign exchange, que na definição do Dicionário Oxford Escolar da Oxford University Press (2005), quer dizer câmbio exterior, então, quando falamos em foreign exchange market, interpretamos como mercado de câmbio exterior ou mercado de câmbio.

A Comissão de Valores Mobiliários – CVM, entende que Forex é o meio pelo qual são negociados contratos que têm como objeto a variação cambial entre duas moedas[1], ou seja, o investidor faz uma aposta na valorização ou desvalorização da moeda “a” em relação a moeda “b”, ganhando ou perdendo no sentido apostado.

Para entender melhor esse mercado, devemos observar duas leis primárias que regulam os vários tipos de aplicações no Sistema Financeiro Nacional (ns. 4.728/65 – mercados financeiros e de capitais e 6.385/76 – mercado de valores mobiliários e que criou a Comissão de Valores Mobiliários – CVM).

A CVM entende que esse tipo de investimento (Forex) é um derivativo, e, como tal, está compreendido como valor mobiliário e sob sua supervisão e fiscalização nos termos do inciso VIII, artigo 2º, Lei n. 6.385/76. Para que o Forex possa ser ofertado no Brasil, deve a instituição ofertante ter registro junto ao Banco Central e CVM[2], oportunizando a fiscalização necessária para a garantia da lisura do produto financeiro.

No Brasil, apenas as instituições listadas no artigo 3º, da Lei n. 4.728/65, quando autorizadas a funcionar pelo Banco Central, podem ofertar produtos financeiros aos brasileiros. No caso do Forex, sua comercialização depende de autorização de funcionamento das instituições financeiras, sociedades ou firmas individuais que tenham por objeto a subscrição para revenda e a distribuição de títulos ou valôres (sic) mobiliários[3] pelo Banco Central.

Acontece que os preceitos legais acima não estão sendo observados por algumas pessoas físicas e jurídicas na comercialização desse produto, o que tem causado dissabores para alguns investidores nacionais, levando a CVM a editar Atos Declaratórios informando o mercado sobre tais irregularidades (ns. 14.216, 14.245, 14.375, 14.379, 14.415 e 14.561), tendo, inclusive, julgado pessoas físicas que comercializaram o Forex de forma irregular como pode ser visto do PAS CVM Nº SP2007/111.

O produto Forex só poderá ser comercializado no Brasil, mesmo que operado pela internet para outro país, se o agente ou a instituição financeira for autorizado pelo BC a subscrevê-lo ou revendê-lo. Vale registrar que corretora de valores mobiliários estrangeira só poderá ofertar produto financeiro se tiver o registro no BC/CVM ou contratar corretora nacional com registro para intermediar a operação, pois do contrário estará cometendo crime (artigo 27-E, da Lei n. 6.385/76), com pena de detenção de “6 meses a 2 anos, e multa”.

Portanto, a forma como vem ocorrendo a comercialização do Forex é ilegal, pois além de ser ofertado por pessoas não credenciadas (física ou jurídica), esse investimento exige de você um conhecimento específico sobre o mercado cambial. Se desejar obter um retorno acima da média do mercado, escolha investir no Tesouro Direto que lhe proporciona hoje remuneração de IPCA mais 7% a.a. de juros reais e com liquidez diária. Por fim, não se deixe levar por dinheiro fácil ou remuneração marciana, isso não existe.

[1] Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Endereço Eletrônico: www.cvm.gov.br – [2] Artigo 16, da Lei nº 6.385/76. – [3] Lei n. 4.728/65, artigo 3º, inciso III.

*Artigo do autor do blog publicado também no Jornal Opinião, do Acre, no último dia 31/10/2015, no endereço eletrônico Mercado de Forex – legal ou ilegal?

Acesse também o Jornal Opinião.

O MAIOR JURO REAL DO MUNDO 7

pedraUma reflexão deve ser feita nos dias de hoje sobre o juro que pagamos para rolar a dívida interna brasileira no governo Dilma 2. Estamos escrevendo de muito tempo que o país proporciona ao investidor, seja especulativo ou não, um dos maiores juros reais do mundo.

Para tanto, basta ler a postagem COMPARATIVO ENTRE TAXAS DE JUROS E INFLAÇÃO onde mostramos os principais países e suas taxas de juros e inflação, provando que estamos no patamar de retorno muito além dos demais países desenvolvidos.

O Brasil precisa decidir o que quer fazer e rápido. Continuar nessa simbiose de crise política e econômica, só vai gerar incapacidade de corrigir os erros do governo Dilma 1 e 2, gerando ainda mais recessão, inflação, desemprego e redução da classe média.

Irá também acabar com as micro e pequenas empresas, seguimento que emprega mais da metade da classe trabalhadora. Os serviços também vão para o ralo e tudo caminha para uma crise que durará no mínimo até 2018, último ano de Dilma no governo.

Somado a tudo isso e se a carruagem caminhar dessa forma, o rebaixamento da nota de crédito pelas duas agências restantes será certa, o que irá dificultar a volta para o crescimento.

Portanto, investidor, como você não vai empurrar sozinho a pedra da inflação, aconselho para proteger seu dinheiro, aplicar em títulos públicos atrelados ao IPCA, pois o juro real pago será de mais de 7%.

Preços e taxas dos títulos públicos disponíveis para compra

Título Vencimento

Taxa(a.a.)

Preço Unitário Dia

Compra

Venda

Compra

Venda

Indexados ao IPCA
Tesouro IPCA+ 2019 (NTNB Princ) 15/05/2019 7,07%
R$ 2.135,64
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2020 (NTNB) 15/08/2020 7,23%
R$ 2.621,22
Tesouro IPCA+ 2024 (NTNB Princ) 15/08/2024 7,44%
R$ 1.448,39
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTNB) 15/05/2035 7,28%
R$ 2.444,41
Tesouro IPCA+ 2035 (NTNB Princ) 15/05/2035 7,27%
R$ 692,59
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTNB) 15/08/2050 7,22%
R$ 2.343,32
Prefixados
Tesouro Prefixado 2018 (LTN) 01/01/2018 15,77%
R$ 728,55
Tesouro Prefixado 2021 (LTN) 01/01/2021 15,88%
R$ 467,79
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2025 (NTNF) 01/01/2025 15,88%
R$ 765,67
Indexados à Taxa Selic
Tesouro Selic 2021 (LFT) 01/03/2021 0,00%
R$ 7.234,92
Atualizado em: 27-10-2015 9:03:13

Comparativo entre taxas de juros e inflação

De grande valia para análise dos tipos de investimentos que devemos fazer para garantir um futuro melhor na aposentadoria, é analisar gráficos, que entendo, dão uma visão mais clara para escolher em que país investir.

Buscando ajudar nesse comparativo, criamos abaixo um gráfico onde temos as taxas de juros e inflação nos principais países do mundo, sendo a primeira linha em verde os juros e a segunda em vermelho a inflação.

Veja como nos países europeus as linhas se sobrepõe, quando chega na América do Sul a inflação separa dos juros, na Asia o sentido é contrário e quando volta para Europa a igualdade retorna.

COMPARATIVO

Fonte: <www.tradingeconomics.com> Elaboração: Mourão Oliveira Consultoria Jurídica e Financeira – <www.mouraooliveira.com>

Dados utilizados:

País Taxa de Juros Taxa de Inflação
EUA 0,25% 0,00%
BRASIL 14,25% 9,49%
FRANÇA 0,05% 0,00%
ITALIA 0,05% 0,20%
INGLATERRA 0,50% -0,10%
SUÉCIA -0,35% 0,10%
SUÍÇA -0,75% -1,40%
PORTUGAL 0,05% 0,90%
RÚSSIA 11,00% 15,70%
ARGENTINA 22,76% 14,50%
VENEZUELA 20,89% 68,50%
CHILE 3,25% 4,60%
CHINA 4,35% 1,60%
JAPÃO 0,00% 0,20%
HOLANDA 0,05% 0,60%
FINLÂNDIA 0,05% -0,60%

Diante disso, podemos ver que investir no Brasil quando comparado com os demais países da tabela, ainda é um grande negócio. Nenhum outro com a estabilidade, mesmo havendo crise política, mas garantido pela reserva internacional, proporciona um retorno real acima daqueles existentes na América do Norte e Europa.

O MAIOR JURO REAL DO MUNDO 6

investimento“O maior juro real do mundo”, frase que poderia ser substituída por “O maior estupido do mundo”, é o resultado do quadro abaixo que mostra os títulos do Tesouro Nacional pagando 16% de juros ao ano para remunerar os investidores que financiam o governo Dilma 2.

As consequências da política expansionista de Dilma 1 chegaram para ficar e o custo dessa falta de capacidade gerencial da economista Dilma é cara.

Os títulos pós-fixados pagam mais de 7,28% de juro real por ano, enquanto os títulos prefixados mais de 16,13% a.a. para financiar a incapacidade da ministra da Fazenda de fato na condução da economia e dos investimentos nacionais.

Ninguém suporta mais essa falta de controle para resolver o problema. Dilma não quer cortar os gastos sociais de seus programas (Minha Casa, Minha Vida, Bolsas e etc), gerando um déficit sem precedente no orçamento de 2015.

Dilma não aceita as sugestões e fica com raiva quando alguém opina por substituir um ou outro ministro. A forma centralizada de decidir tudo sem dar liberdade para seus ministros, torna a máquina da administração mais morosa do que já é.

Por causa disso, vamos caminhando para consolidar o maior juro real do mundo por um longo tempo. Rezemos para não sofrermos outro rebaixamento da nota de crédito, pois aí a situação vai ficar complicada mesmo, já que os investidores (fundos) terão que tirar seus investimentos do Brasil e o dólar vai disparar para além de R$4,50.

Por enquanto, continuamos pagando os juros mirabolantes e torcendo para Dilma decidir o que quer fazer para livrar o país da celeuma que nos meteu.

Importante lembrar que os títulos prefixados estão pagando mais que a Selic, mas no futuro a Selic poderá chegar próximo do que paga o Tesouro para financiar a dívida que o PT contraiu.

Acessado em 13/10/2015, às 12h51min.

Título Vencimento

Taxa(a.a.)

Preço Unitário Dia

Compra

Venda

Compra

Venda

Indexados ao IPCA
Tesouro IPCA+ 2019 (NTNB Princ) 15/05/2019 7,29%
R$ 2.107,12
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2020 (NTNB) 15/08/2020 7,40%
R$ 2.587,71
Tesouro IPCA+ 2024 (NTNB Princ) 15/08/2024 7,54%
R$ 1.427,59
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTNB) 15/05/2035 7,44%
R$ 2.390,14
Tesouro IPCA+ 2035 (NTNB Princ) 15/05/2035 7,44%
R$ 667,35
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTNB) 15/08/2050 7,40%
R$ 2.277,02
Prefixados
Tesouro Prefixado 2018 (LTN) 01/01/2018 16,13%
R$ 719,39
Tesouro Prefixado 2021 (LTN) 01/01/2021 15,94%
R$ 463,81
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2025 (NTNF) 01/01/2025 15,98%
R$ 757,59
Indexados à Taxa Selic
Tesouro Selic 2021 (LFT) 01/03/2021 0,00%
R$ 7.197,02
Atualizado em: 13-10-2015 11:27:11

<http://www3.tesouro.gov.br/tesouro_direto/consulta_titulos_novosite/consultatitulos.asp>

Leia também: O MAIOR JURO REAL DO MUNDO 5